sábado, 7 de setembro de 2013

QUE É O CARÁTER?

Young Churchill
   Que é o caráter? E que queremos significar quando dizemos de alguém: ali está um caráter? A palavra caráter designa a vontade humana fixada no bem; e um moço é um caráter, se tem nobres princípios e se em nada os sacrifica, ainda quando tal constância lhe impõe renúncias. Aquele que, ao contrário, muda de princípios conforme as circunstâncias, a sociedade ou aos amigos, que abandona um modo de agir até aqui reconhecido como bom, sob o pretexto que ele não lhe deve causar o menor desagrado, esse é versátil e pouco seguro, tem caráter fraco, ou pior ainda, falta-lhe inteiramente caráter.
    Isto basta já para mostrar o que consiste a educação do caráter. Primeiro, cumpre-te procurar nobres princípios; em seguida, por um exercício contínuo, urge que te acostumes a agir segundo esses princípios, em todas as circunstâncias. A vida moral dum homem sem princípios é tão agitada quanto um caniço surpreendido pela borrasca. Ele faz hoje de um modo e amanhã de outro. A primeira necessidade é adquirir a força de que havemos mister para seguir, sem tropeços, a senda que tivermos reconhecido como direita. 
Repito: A tua primeira tarefa é formar em ti princípios justos. Ora, qual é o princípio justo no tocante aos estudos, por exemplo? "Devo estudar com aplicação constante, pois Deus quer que eu cultive os talentos que Ele me deu". - Qual é o princípio justo concernente aos camaradas? "Devo fazer a eles o que eu quereria que eles me fizessem". E assim por diante... Cumpre tenhas princípios justos em todas as coisas. 
     A segunda tarefa é muito mais difícil: seguir esses exatos princípios, isto é, exercitar-se na senda do caráter.
Um belo caráter não se recebe de presente: fazêmo-lo nós, por um labor sólido e continuo, trabalhando nisso durante longos anos, dezenas de anos muitas vezes. A influência do círculo de relações, as inclinações boas ou más recebidas de herança, podem produzir certa impressão no nosso caráter, mas, afinal de contas, o nosso caráter é obra pessoal nossa, é resultado do nosso trabalho de educação de nós mesmos. Porquanto, é uma dupla educação a que recebemos: primeira é-nos dada por nossos pais e pela escola; a segunda - e é a mais importante - vem-nos dos nossos próprios esforços.
    Sabes que é a educação? É a influência da nossa vontade que nos leva pelo bom caminho, em qualquer situação, sem hesitar, com alegria. 
   Sabes que é o caráter? É agir em conformidade com os princípios fundamentais; é o esforço porfiado de nossa alma na realização da nobre concepção que fizemos da vida
    Já podes concluir que, nessa educação de si, o difícil não é a formação do justo principio vital, porém o esforço que se deve fazer dia a dia para se conformar com ele. Isto é o meu principio, e não o abandonarei: “ser-lhe-ei fiel, custe o que custar". E é preciso dizer que isso exige, não raro, muitos sacrifícios; e ai está a razão por que se encontram tão poucos caracteres no mundo. 
    " Permanecer sempre fiel a seus princípios", "nunca se divorciar da verdade". - quem é que não se entusiasmaria por esses belos pensamentos? ... Ah! se não fosse tão difícil converter esses pensamentos em ações! Se esses belos intentos não se desvanecessem em nós tão facilmente, sob o influxo contrário da sociedade, dos amigos, da moda... do nosso próprio "eu" que não gosta de ser continuamente molestado!
Ouve o que, a respeito, diz o poeta:



"Por que agir desalinho,
Ser como um pião a girar?
- Se encontraste o bom caminho,
Procura perseverar." (Reinick)


Eis o que a educação de si mesmo te há de ensinar.

Fonte: “O Moço de Caráter”, de D. Tihamer Toth. Taubaté: Editora SCJ, 1952.

3 comentários:

  1. Compartilhei seu texto em uma página que administro ;)
    Ótimo, por sinal!
    https://www.facebook.com/pages/Espaço-Olavette

    ResponderExcluir